quarta-feira, maio 27, 2009

nem sequer desespero

I

Não me caias nunca
Não te precipites
Mesmo que isso
Mesmo que te queiras
Não te atires
Fica



II


Tenho a alma presa
Em bocados
Rota

A cabeça tonta
Revolteiam-se as tripas

E nem é desgosto
O que sinto é raiva

E esta tristeza
Esta dor contida
Esta água funda
Este imenso abismo

um silêncio surdo
um vazio


4 comentários:

BlueShell disse...

é isso o que fica de alguém que foi ( e é) importante ...mas que , por motivos vários, sabemos que vamos "perder".
Fica a dor contida - é o pior...pois vai doendo, doendo...minando a alma e depois fica...O VAZIO!!!!

Abraço
BShell

Mena G disse...

A raiva alimenta...
Quase como se fosse uma ressureição( escreve-se assim?).
;)

wind disse...

Angustiante.
beijos

ellen disse...

Há muito que não lia nada tão intenso, com velocidade :)