quarta-feira, setembro 26, 2007

ingénua


Menina
Tonta rapariga
Desembuche
Diga o que a atormenta
Ora conte
O que vai nessa cabeça?

Sossegue
Acalme-se
Ora sente-se
Nem a Terra se moverá sem eixo
Nem o mar se tingirá vermelho
Não correrão em bicicleta os peixes

Ande, sossegue
Os cães não zurrarão
Nem miarão os bois
Nem água será fogo
Ora conte,
conte
Desembuche sem choro

Ah! pobrezinha
Apaixonou-se

9 comentários:

TINTA PERMANENTE disse...

...e sendo assim, não se diga que (...)nem a Terra se moverá sem eixo, nem o mar se tingirá vermelho(...); é que nada se torna impossível ao doido ou ao apaixonado!...
Gostei!

Arion disse...

Pobrezinha. É o estado que mais se assemelha à loucura! Beijo!

gabriela r martins disse...

truz ,truz ,posso entrar ,"vizinha"?

.

descobri ,por mero acaso o teu blogue e ,sinceramente ,disse para os meus botões - é algarvia e basta!

.

volto ,de certeza, porque aqui sinto.me em casa

.
.

um bj e bfs.

Nilson Barcelli disse...

Ingénua, pois claro...

gabriela r martins disse...

dá uma breve saltada ao canto.chão ,por favor ,peripécias da blogosfera ( ehehehehehe )

um beijo!

Vieira Calado disse...

Pobrezinha?
Tomara-la tu pra mim!

José Gomes disse...

Realmente não conhecia esta tua faceta de poeta!!! Lindo!
Fui visitando as tuas outras casas e gostei do que lá encontrei... olha, eu só conhecia "Repensando"!!!
Tem uma boa semana.
José Gomes

Ana Paula disse...

Adorei o poema. Sobretudo a grande sabedoria que encerra! :)
Beijinhos

LNeves disse...

Adorei :) até a escrita está ingénua!

***MUAH***