quinta-feira, novembro 22, 2007

azeite

Escorrer azeite

Não de garrafa ou garrafão de plástico
Não azeite de hipermercado
Azeite dito virgem numa imagem
Azeite rotulado.

Escorrer propositado azeite.

O sem-fim esmagando
Um cor de azeitona lasso
Um fio grosso
Cascata na banheira em que me deixo.

Azeite do lagar

Dormente eu naquele leito.

Um bago mal passado
Uma azeitona verde
Espanto
Eu e a azeitona descansando.

3 comentários:

gabriela r martins disse...

finalmente regressaste
é que não resisto
( quase diariamente )
a visitar.te
e
assim


passo
fico
leio
medito
bato
palmas
e
peço bis


um abraço
( literário )

efe disse...

um poema em azeite

wind disse...

Escrtora adorei e aqui sinto metáforas, surrealismo, que gosto muito. Desculpa se a minha interpretação está errada.
beijos