sábado, março 22, 2008

Grades

Um fio de fechaduras a olhar para dentro

Em cada fio de cal a solidão escorre

Suores antigos
Cheiros, riscos
Palavras reescritas
Versos
Gritos de outros silêncios


Cruzam riscos pretos
Quatro riscos grossos
A maciez da sombra de cada uma das grades,
[aprisionando o sol entre quatro paredes

3 comentários:

efe disse...

as piores grades são as interiores.

;)

Vieira Calado disse...

O que diz o efe.
Mas, agora digo eu: um belo exercício de engenharia, com palavras.

Bjs

Anónimo disse...

não, não posso ler mais.
voltarei, claro, mas hoje não leio mais
a tua força assusta(-me)


;)


c