quinta-feira, dezembro 30, 2010

brincadeiras com Florbela

Amar!



Eu quero ter esse sentimento de amar-te mais que tudo,
um amor de doidos,
amar-te perdida de mim e dos outos
amar amando todos sem amar mais do que tu somente!

Eu quero amar, amar perdidamente!

E nem quero morais e nem questões
que se esqueço ou me lembro é de nós dois
e não dos outros
e eu hei-de amar-te sempre
mesmo incorrendo no erro de uma inverdade
que cantando aos sóis e outros astros,
ao pólen, às borboletas e às flores,
eu cantarei mais do que o amor a Deus
eu a amar-te perdida D’Ele por meu pecado,
eu que quero em ti fazer o meu altar
hei-de cantar o nosso amor por toda a eternidade





3 comentários:

Mena G disse...

Uau! O soneto todo! Todinho e desmontado! Adorei...

wind disse...

Espectacular!
Beijos

Aguimas disse...

Já não me lembrava deste bçog ou é novo? Faço sempre con fusão entre soneto e poema, mas tanto faz, este, seja ele o que for, é bem bonito.