quarta-feira, maio 10, 2006

bruma

Calaste sempre
não te disseste
nem te ouviste
nem te sabias
A bruma do silêncio
agora
só hoje
só depois
a névoa calada
te diz de ti
gritando
apelando
vem
olha-me
tu não sabias
não te sabias este
vem na barca de ti
estrebucha
fala
fala com o sentido teu
corta as brumas
o de dentro das brumas
sai para a luz
Tu não te sabias
tu não calaste
o silêncio tocou-te
lepra
contagiou-te
Lava as feridas
enxagua as dores
atravessa a bruma
atravessa-a contigo
Vem
silencia o que sabes
guarda-te de coração sereno

3 comentários:

wind disse...

Cheio de ritmo e inconfudivelmente teu:) beijos

pipetobacco disse...

{ ...

[variações].1.0

sonhei que já [aqui] tinha estado
/condição;/
a beber-te as palavras
em silencio
/guardar silêncio;/
que não se sente
entendido ou sabedor
vi amor e dor
agrada-me ver-te as lavras
subscrever-te bastante e depois
/importa-me muito o que te.leio/

© um.quase.nada escrito por © de[mente]

... }

Menina_marota disse...

Um poema saído da alma... belo.
Bj ;)