terça-feira, março 24, 2009

caminheira




reescrita de um poema da
Márcia
numa actividade no estudio de criação poética

longuíssima seria a caminhada
ela sabia
um passo e mais um outro
enorme, lisa, comprida, a estrada deslizava

um passo e dois e mais uns vinte e oito
ela andando deslargada de vida
onde? para onde?
caminhava: um pé depois do outro

uma madrugada cor de rosa e uma tarde de chuva
um anoitecer com gatos num muro branco
e noite
uma e outra noite e ela caminhando sem descanso

e o medo
um recanto de si pulsando ao ritmo do ir
o temor da sombra deslizada - de noite
e tarde e dia - um a seguir ao outro - medo, medo, medo

nem flores nem segredados, nem choros
nem um riso nem o cheiro de flor nem um bordado
uma sombra que fosse de raminho de árvore
nada mais que um pé depois do outro

e ela a querer não ir, ela a querer
sentar-se na berma húmida e perder-se
desistir de ter partido
quando? para onde?

e no final a certeza de ter terminado tudo
de ter sequer lembrança de existir
um e mais um outro
dois, três, seriam trinta e muitos

e nem apenas um lhe recordando
um passinho mesmo que miudo, mesmo que descalço
que lhe dissesse segredando
um dia foste, um pé depois do outro


5 comentários:

Compulsão Diária disse...

Saiu muito bom o poema a partir da idéia lá do estúdio, Maria.
Fantástica.
Uma brincadeira de passa anel como eu disse. A Márcia plantou uma muda que vc replantou de outro jeito.

Cris disse...

"...e o medo
um recanto de si pulsando ao ritmo do ir..."
Que lindo menina das letras!;hoje vivo pulsando ao ritmo do chegar...

Beijo, querida

wind disse...

Excelente, Escritora!
Beijos

gisellesato disse...

Linda a idéia. Muito boa esta troca...

marcia szajnbok disse...

só agora vi... muito lega, fátima!
reconheço minha semsnte, mas vejo tua árvore...

beijo